Origem

Oriunda dos condados de Norfolk, Cambridge, Essex e Suffolk no sudoeste da Inglaterra, foi formada a partir do cruzamento de carneiros Southodown com ovelhas selvagens de Norfolk. Estes ovinos nativos caracterizavam-se por terem membros pretos, serem ambos os sexos aspados, muito rústicos, ativos de velo leve e conformação defeituosa, de esqueleto forte e membros compridos, muito prolíficos e desde a antiguidade eram muito apreciados pelo sabor de sua carne.
A influência da raça Southodown (usada desde 1800 até 1850) determinou o desaparecimento dos chifres, melhorou a conformação e precocidade, foi fixado o tipo por cruzamento e seleção, onde no ano de 1810 foi considerada como raça denominando-se primeiramente como Southdown Norfolk e em 1859 a Associação de Agricultura admitiu exemplares para concorrerem nas exposições agrícolas, já no ano 1886 foi fundada a Sociedade de Criadores de Ovinos Suffolk (Suffolk Sheep Society) cuja sede é em no condado de Suffolk.

Aspecto Geral

O Suffolk é um ovino de grande desenvolvimento corporal, de constituição robusta, conformação tipicamente carniceira, corpo comprido e musculoso, as extremidades desprovidas de lã e revestidas de pelos negros e brilhantes, a postura de sua cabeça e formato das orelhas fazem do Suffolk um ovino inconfundível, logo, a primeira vista o Suffolk impõe a sua condição de raça carniceira.

Cabeça

Mocha em ambos os sexos, grande, completamente livre de lã, totalmente coberta de pelos negros, finos e brilhantes, a cara é comprida e sem rugas, perfil convexo, focinho mediano, boca larga com lábios fortes, orelhas longas, inserção firme, um pouco projetadas para baixo, de textura fina, com a ponta virada para fora e pelos brancos ou lã em qualquer parte da cabeça são considerados defeitos.
Juntamente com a parte superior da cabeça as orelhas completam o formato de sino (quando vistas de frente), os olhos são escuros e proeminentes, mucosa nasal, lábios e pálpebras são totalmente pretos.

Pescoço

Pescoço moderadamente comprido, forte, redondo e carnudo, bem implantado no tronco levando a cabeça um pouco erguida e não apresenta rugas na pele.

Paletas

Largas, carnudas e bem afastadas, dando origem a cruzes também largas e carnudas que formam com o dorso, lombo e anca um retângulo largo e comprido, as paletas descarnadas, muito curtas e cruzes estreitas e salientes são consideradas graves defeitos, não ocorrendo depressões atrás das paletas.

Peito

Peito profundo, largo e proeminente.

Tronco

Típico de um ovino de carne, largo, profundo, muito musculoso e com costelas de bom arqueamento e boa cobertura de carne. O tórax é amplo, a é anca larga e comprida, muito bem coberta de músculo, a cauda larga e implantada em continuação da linha superior e apresenta flancos lisos e cheios.

Membros

Sendo o Suffolk uma raça de carne e que atinge grandes pesos, os seus membros devem merecer especial atenção. Devem ter um comprimento proporcional ao corpo, de tal maneira que mantenha a harmonia do conjunto e ao mesmo tempo evidenciem vigor e desenvoltura, as articulações bem definidas. Os ossos fortes, mas não demasiadamente grossos e com secção transversal ovalada, com membros bem aprumados e afastados entre si, garrões devem ter um ângulo bem definido e bem afastados, dando lugar a um entrepernas largo e profundo, os quartos devem ser carnudos, com musculatura arredondada, nádegas volumosas e o entrepernas deve completar-se por um períneo perpendicular e comprido.

Pele

Fina, de coloração rosada e completamente sem rugas.

Velo

De pouca extensão, pois não cobre a cabeça e os membros abaixo dos joelhos e garrões, a barriga tem que ser bem coberta de lã. Possui boa densidade, mas não tem boa formação de mechas (são curtas), pouco peso, pouca qualidade, com poucas ondulações e áspero, deve ser livre de fibras pretas (a não ser na zona de transição entre os pelos e a lã, ou seja, no pescoço e patas) possuir fibras de lã de diâmetro médio entre 25 e 29 micrômetros, o que na Norma Brasileira de Classificação de Lã Suja corresponde as finuras Prima B, Cruza 1 e Cruza 2, e na escala de Bradford corresponde 54´s a 58´s.

Aptidões

- Grande capacidade de adaptações a diferentes climas.
- Rústica, mas necessita de boa alimentação.
- Muito prolífera, com índices de nascimento de até 165%.
- Parto fácil, principalmente por causa do formato longo e estreito da cabeça dos cordeiros ao nascerem.
- Cordeiros com grandes ganhos de peso ao dia, até 450 gramas.
- Ótimo rendimento de carcaça, 50 a 60%.
- Carcaça de ótima conformação e com pouca gordura externa.
- Os carneiros têm uma libido muito forte.
- As ovelhas têm muita aptidão materna.
- Os cordeiros nascem inteiramente pretos, e vão branqueando até os 4 ou 5 meses de idade.
- Os machos adultos ultrapassam facilmente os 150 Kg.
- A lã tem muita resistência, o que a torna apta para a fabricação de carpetes, estofados e forrações.

Defeitos

- Animais de pequeno porte.
- Constituição débil.
- Musculatura deficiente, animais muito leves.
- Desvio acentuado da coluna vertebral.
- Ancas demasiadamente inclinadas.
- Inserção de cola muito baixa.
- Garrões muito juntos.
- Quartelas muito longas ou muito inclinadas.
- Orelhas muito pequenas, muito erguidas ou de pouca textura.
- Fortes depressões atrás das paletas ou das cruzes.
- Pelos brancos ou lã nas regiões de pelo.
- Excesso de fibras pretas no velo, fora das regiões permitidas.
- Presença de rudimentos de chifres muito grandes ou fixos.
- Malformações bucais.