04/10/2019

 

ARCO esteve representada na reunião por seu presidente Edemundo Gressler, a 1ª vice-presidente Elisabeth Lemos e pela secretária e presidente da Associação Brasileira de Criadores de Corriedale, Cristina Soares Ribeiro.

Apoiar a produção de ovelhas é um dos objetivos do Incra no Rio Grande do Sul para estimular o desenvolvimento econômico dos assentamentos gaúchos. Na segunda-feira (30), entidades do setor reuniram-se na sede regional da autarquia em Porto Alegre (RS) para discutir estratégias de implementação do Programa de Fomento à Ovinocultura em áreas de reforma agrária.

Além do Incra, a reunião contou com a participação de integrantes da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi/RS), da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS), da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco), da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) e de presidentes das associações de criadores de raças específicas.

Segundo o superintendente regional do Incra/RS, Tarso Teixeira, a ideia é oportunizar uma alternativa de renda que ajude a fixar as famílias nos lotes. “Queremos descentralizar os investimentos, sem privilégio a uma área do estado”, afirma.

A proposta deve iniciar pela região da Campanha em um município estratégico, ou conjunto deles, com alta concentração de assentamentos. Segundo o diretor técnico da Emater/RS-Ascar, Alencar Paulo Rugeri, equipes da entidade farão um levantamento dos agricultores com perfil adequado ou histórico de envolvimento na atividade. A partir de seus resultados, a iniciativa deve ser expandida para vizinhos e demais localidades.

Os itens listados entre as ações prioritárias são: melhoramento genético, implantação de infraestrutura e possível capacitação dos assentados e de técnicos. As entidades apoiadoras pretendem negociar linhas de financiamento facilitadas para os contemplados. 

Segundo o supervisor regional do Departamento de Defesa Agropecuária da Seapi/RS e secretário-executivo do Fundo de Desenvolvimento da Ovinocultura (Fundovinos), Joal Pontes, o projeto possui boas perspectivas de adesão pela característica de ciclo curto da ovinocultura. “O produtor tem o cordeiro em 150 dias e, em um ano, pode recuperar 90% do capital aplicado”, analisa. 

Esta foi a primeira reunião para debater a criação do programa. Uma nova rodada de discussões entre as entidades presentes está marcada para 10 de outubro durante a 93ª Expofeira, em Pelotas (RS).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do Incra/RS